Volkswagen ou Voltswagen: Será que valeu mesmo a pena brincar com isso?

Gerar buzz pode ser fácil para uma grande marca, mas será que vale tudo para isso?

Você provavelmente ficou sabendo da roubada que se tornou uma simples brincadeira criada pela Volkswagen americana mudando o seu nome para Voltswagen, em referência à energia elétrica. Como o comunicado aconteceu inicialmente em uma despretensiosa ação de marketing nas redes sociais, pareceu realmente mais uma brincadeira ou uma história ainda incompleta apenas para causar curiosidade, como a ação recente feita pelo Habib´s, com as faixas com os dizeres "passo o ponto" nas fachadas de várias lojas. Um parêntese aqui sobre isso, achei a ação do Habib´s como um todo muito boa e bem executada.

Voltando a Volks, em um primeiro momento pareceu uma brilhante sacada, considerando que muitas montadoras possuem metas ambiciosas para oferecerem apenas veículos totalmente elétricos num futuro não tão longe. E ainda por cima, a mudança depois foi confirmada em um comunicado oficial da montadora nos EUA, o que levou grande parte da imprensa a acreditar realmente e divulgar isso, fora o impacto no mercado financeiro.

Mas como mentira tem perna curta, apesar da tentativa de sustentar a ação, logo a empresa acabou desmentida e teve que reconhecer que tudo não se passava de uma “inocente” brincadeira de 1º de abril antes da hora.

Fico me perguntando o que leva uma empresa do tamanho da Volkswagen a fazer uma ação tão ingênua como esta. E por que ingênua?

Em primeiro lugar, erraram o time. Se era uma ação de 1º de abril, que seja feita então apenas nesta data e num formato que fique óbvio a brincadeira, tentando capitalizar o máximo sobre isso, já que nenhuma outra montadora pode brincar com o Volts no nome como a Volks.

Depois erraram em tentar sustentar como se fosse sério, mas se esqueceram de combinar com a matriz na Alemanha que, pega de surpresa, desmentiu a troca.

E por fim, ingênua porque a Volkswagen ainda não recuperou a credibilidade por causa do enorme escândalo das emissões, que ficou conhecido como “dieselgate” e desgastou muito a marca no mercado americano principalmente. E justamente eles fazem uma nova mentira e ainda tentam sustentar?

Não sei quais os parâmetros e indicadores que eles estão usando para mensurar o impacto disso com os consumidores, e espero que não seja apenas o buzz, mas com certeza na mídia formadora de opinião que se sentiu usada, o resultado foi péssimo e não ajudou em nada nem a posicionar a marca no segmento de veículos elétricos e nem a recuperar a sua imagem de mentirosa.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.