• BVSP 110.249,73 pts +1,3%
  • USD R$ 5,2703 -0,0001
  • EUR R$ 6,1788 +0,0000
  • ABEV3 R$ 15,57 -0,26%
  • BBAS3 R$ 28,62 +2,21%
  • BBDC4 R$ 19,54 +1,40%
  • BRFS3 R$ 22,93 +0,48%
  • BRKM3 R$ 58,5 +0,19%
  • BRML3 R$ 8,65 +2,00%
  • CSAN3 R$ 23,25 +1,00%
  • ELET3 R$ 37,88 +2,30%
  • EMBR3 R$ 20,1 -1,28%
  • Petróleo US$ 74,53 +0,23%
  • Ouro US$ 1.775,90 -0,13%
  • Prata US$ 25,69 +0,00%
  • Platina US$ 1.048,40 +0,00%

Vacina no Brasil: Um modelo de governança a ser multiplicado

Um dos maiores exemplos de parceria-público privada de impacto social desenvolvidos no país está em curso na construção da fábrica do Butantan para as vacinas contra a covid-19. Como replicar o modelo?

Precisamos falar de modelos de governança compartilhada. Na sua mais pura definição, a ODCE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) define as parcerias público-privadas como: “um contrato de longo prazo entre uma parte privada e uma entidade governamental, para a prestação de um bem ou serviço público.”

As empresas do futuro estão aqui. Conheça os melhores investimentos em ESG na EXAME Research

Esse tipo de parceria, que está cada vez mais em evidência ao redor do mundo, podendo ter diferentes configurações, a exemplo de construção de aeroportos, pontes e escolas, até a prestação de serviços sociais. São alianças mistas, que envolvem a sociedade civil, o governo e o setor privado, cujo objetivo é, lograr um objetivo comum.

Sem dúvida o maior e mais recente exemplo de iniciativa público-privada no Brasil foi o pacto coletivo em prol da construção do Centro Multipropósito Para Produção de Vacinas (CMPV), a nova fábrica do Instituto Butantan. Já no início da pandemia, nós, da sociedade civil juntamente com os entes públicos e privados, criamos um núcleo de governança para gerir o processo de estruturação da fábrica.

Essa mobilização possibilitou que ultrapassássemos nossa proposta inicial de arrecadar R$160 milhões para a construção das instalações. Graças aos esforços conjuntos, será possível a fabricação de mais de 100 milhões de doses de vacina por ano.

Esse tipo de projeto de governança compartilhada é o maior exemplo de parceria público-privada de impacto social. A Comunitas representou a sociedade civil e foi responsável pelo processo de doações, em parceria com a InvestSP, empresas doadoras e Instituto Butantan.

Mobilizações sociais como essa beneficiam a todos os setores da sociedade. No caso específico da construção da fábrica do Butantan, por exemplo, o governo ganha ao ter seus objetivos de combate à pandemia acelerados. As empresas ganham no sentido de se projetarem como facilitadoras de uma causa social, além de investirem para que a normalidade no país seja reestabelecida mais rapidamente.

As Parcerias público-privadas (PPPs) podem ir muito além do investimento com eficiência e por isso não devem ser minimizadas. Muitos acreditam que elas visam simplesmente remediar a carência de eficiência de um governo. Isso é verdade, no entanto, elas vão muito além. As economias alcançadas pelo governo ao utilizar-se das PPPs permitem que os recursos contidos possam ser redirecionados a outras áreas.

Sikander Sultan, autor do livro Public Private Partnerships, lista de maneira muito clara os principais objetivos das PPPs, entre eles: a aceleração do desenvolvimento econômico, melhorias na qualidade dos serviços públicos por meio da introdução de eficiência, abertura do setor público à competitividade do setor privado, o aumento da participação do setor privado no setor público e a diminuição dos custos de projetos de infraestrutura. O autor não poderia estar mais correto.

Outra extraordinária publicação voltada àqueles que desejam expandir sua visão sobre abordagens diante dos desafios atuais da sociedade é Investindo em Valor Social: Gerando Valor Social com Investimentos, de William Eimicke e Howard W. Buffett. O livro, recém-publicado no Brasil, elucida como diferentes setores podem se unir para lidar com adversidades de maneira mais eficiente.

Essa forma de associação entre os setores público e privados para alcançar um objetivo comum suplementam a capacidade do setor público. Há uma redução de custos na implementação dos projetos de infraestrutura devido à influência das duas partes na redução de taxas. Além disso, ela é uma maneira de possibilitar que o governo não gaste além de seu orçamento.

O envolvimento do setor privado e terceiro setor na administração pública tem demonstrado ser capaz de gerar um tipo de governança compartilhada que deixará um legado para São Paulo e para o Brasil. Podemos sim ter mais eficiência na administração pública com parcerias público-privadas de impacto e investimento social. Esse tipo de exemplo deve também ser multiplicado para outros projetos.

Serão muitos os desafios a serem enfrentados no pós-pandemia, por isso, soluções que envolvam todos os setores da sociedade na forma de uma governança compartilhada podem nos ajudar a superar o maior número de desafios, em menor tempo, e com menos gastos.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.