Ensino superior a distância deve continuar em alta

Em 2017, o segmento cresceu 16%, para 1,6 milhão de matrículas. A previsão é de avanço de mais 8% neste ano

Uma área de ensino superior que deve fechar o ano com nova leva de bons resultados é a do ensino a distância. Em 2017, o segmento cresceu 16%, para 1,6 milhão de matrículas. A previsão é de avanço de mais 8% neste ano.

Novos grupos regionais continuam de olho nas oportunidades criadas por uma portaria do Ministério da Educação de 2017 que autorizou novos polos Brasil afora. Um deles é o centro universitário carioca Celso Lisboa, que contratou o banco Bradesco BBI para buscar um sócio estratégico. O objetivo é investir 20 milhões de reais em tecnologia para lançar a modalidade de ensino a distância em 2019.

Com o EAD, o Celso Lisboa pretende dobrar o número atual de 14.000 alunos, inaugurando mais 80 polos, em dez cidades, por meio de parcerias com colégios e outras pequenas universidades. Fundada há 47 anos, a empresa familiar vai encerrar 2018 com faturamento de 110 milhões de reais.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.