A moleza acabou na Heinz

Desde que pagaram 23 bilhões de dólares para comprar a fabricante de alimentos americana Heinz junto com Warren Buffett, os executivos do fundo brasileiro 3G — criado por Jorge Paulo Lemann — se mantiveram em silêncio. No fim de novembro, o carioca Bernardo Hees, presidente da Heinz, deu as primeiras pistas de seu plano num evento fechado a clientes da consultoria Falconi. Desde sua chegada, a Heinz trocou 11 dos […] <div class="read-more"><a href="http://exame.abril.com.br/blogs/primeiro-lugar/2013/12/05/a-moleza-acabou-na-heinz/" class="more-link">Leia mais</a></div>

SOPA DE TOMATE HEINZ: a empresa demitiu 1 300 funcionários

Desde que pagaram 23 bilhões de dólares para comprar a fabricante de alimentos americana Heinz junto com Warren Buffett, os executivos do fundo brasileiro 3G — criado por Jorge Paulo Lemann — se mantiveram em silêncio. No fim de novembro, o carioca Bernardo Hees, presidente da Heinz, deu as primeiras pistas de seu plano num evento fechado a clientes da consultoria Falconi. Desde sua chegada, a Heinz trocou 11 dos 12 principais executivos e demitiu 1 300 funcionários. Até a impressão de papéis foi limitada a 200 páginas por mês para cada funcionário. Tudo para pagar os 12 bilhões de dólares de dívidas que financiaram a aquisição. Mas Hees garante que vai deixar intactas as áreas de vendas e marketing. “Não entendo o suficiente desses setores”, disse Hees, que contratou a Falconi para elaborar um plano de melhoria de suas 72 fábricas. Nos últimos meses, 1 300 dos 31 000 funcionários da Heinz passaram a ter metas individuais. “Antes, todo mundo ganhava bônus, mesmo sem boa performance”, afirmou Hees. Esses tempos ficaram para trás.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.