A prioridade para o período de distanciamento social

As etapas necessárias para reiniciar a economia são as mesmas necessárias para retardar a transmissão do vírus

MILÃO – O coronavírus afeta a economia global. Como muitos amigos e colegas na China, eu também fiquei bloqueado, junto com o resto da Itália. Muitos de meus concidadãos nos Estados Unidos estão agora na mesma situação; outros em todo o mundo seguirão esse caminho em breve.

Como o vírus pode aparentemente ser transmitido por pessoas sem sintomas, ele se espalhou em larga escala e está sob o radar das autoridades de saúde pública. Para evitar que os sistemas de saúde fiquem sobrecarregados, medidas agressivas de distanciamento social e auto isolamento foram amplamente implementadas e aceitas pelo público. Ainda não se sabe se elas diminuirão a rapidez da transmissão e limitarão o número de casos críticos no Ocidente.

Evidências de que a epidemia tenha sido reduzida ou mesmo contida na China e em algumas outras economias asiáticas são promissoras. Esses países, no entanto, basearam-se não apenas no distanciamento social, mas também em uma vasta gama de ferramentas que não foram amplamente implementadas na Europa e nos EUA: testes generalizados, rastreamento de contatos, isolamento obrigatório e assim por diante.

Em todos os lugares, no entanto, medidas para mitigar a pandemia produziram uma súbita parada em inúmeras atividades econômicas, com serviços essenciais frequentemente entre os únicos setores liberados. O resultado será uma queda acentuada no PIB e na renda, um aumento quase certo no desemprego (como já visto nos EUA), um calendário escolar interrompido e a suspensão de praticamente qualquer atividade que envolva reuniões de mais de algumas poucas pessoas.

Para alguns, videoconferência, educação on-line e outros aplicativos digitais têm amortecido o golpe. Mas o inevitável resultado econômico será uma profunda recessão e danos colaterais de longo alcance aos meios de subsistência e ao bem-estar das pessoas.

Bloquear a economia é visto corretamente como uma maneira de ganhar tempo para expandir a capacidade e reduzir a demanda de pico de sobrecarga nos sistemas de saúde. Mas não é uma estratégia absoluta. Mesmo quando combinado com acomodação monetária e um grande programa fiscal voltado para a proteção de pessoas e setores vulneráveis, um congelamento econômico profundo não pode ser sustentado sem, em algum momento, impor custos inaceitáveis ​​aos indivíduos e à sociedade.

Grande parte da economia moderna – incluindo restaurantes, comércio varejista, teatros, eventos esportivos, museus, parques e muitas formas de turismo e transporte (como viagens aéreas) – simplesmente não pode operar sob condições de distanciamento social. Esses setores representam uma parcela significativa do emprego total. Outros grandes setores ainda podem funcionar, mas não a plena potência.

A questão, então, é o que pode ser feito agora para garantir que a recuperação e o retorno à normalidade ocorram da maneira mais segura possível. Um bloqueio de duração economicamente tolerável não pode, por si só, reduzir os riscos associados às interações interpessoais. Dentro de algumas semanas – digamos de quatro a seis – os custos econômicos do bloqueio começarão a crescer, momento em que alguns grupos de pessoas começarão a retornar ao trabalho, se ainda houver trabalho, simplesmente porque elas não tem escolha.

(Para muitas pessoas pobres na Índia, onde a economia foi paralisada nesta semana, a crise será imediata.) Embora os riscos de infecção permaneçam altos, as pessoas não terão recursos para permanecerem isoladas. Ao mesmo tempo, embora os custos de fechamento de escolas por longos períodos também sejam muito altos, as escolas não deverão ou não deveriam reabrir até que os riscos de um ressurgimento do coronavírus sejam baixos ou nulos.

A velocidade e a segurança da recuperação, portanto, dependerão de modo crucial caso os riscos das atividades do grupo sejam suficientemente reduzidos. Um elemento importante da redução de risco diz respeito à capacidade do sistema de saúde. O foco atual em equipar e proteger adequadamente os médicos e a equipe médica com o que eles precisam para fornecer cuidados críticos é, portanto, inteiramente justificado.

Mas esses esforços na linha de frente não reduzirão os riscos do contato interpessoal de maneira mais geral. Para fazer isso, precisamos usar o período de bloqueio para expandir a capacidade do teste, rastreamento de contatos, isolamento e tratamento.

Aqui, vale a pena ler um trecho  do discurso de 25 de março feito por Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde. “Pedir às pessoas que fiquem em casa e interromper o movimento da população está ganhando tempo e reduzindo a pressão nos sistemas de saúde”, explica Ghebreyesus.

“Mas, por si só, essas medidas não extinguirão epidemias. O objetivo dessas ações é permitir medidas mais precisas e direcionadas necessárias para interromper a transmissão e salvar vidas.” Se eu pudesse alterar essa objetiva declaração de propósito, focada na saúde, acrescentaria apenas à última frase: “… e para reduzir os riscos de infecção, reiniciar a economia e acelerar a recuperação”.

 

Depois de explicar o que essas medidas mais precisas e direcionadas exigem, Ghebreyesus acrescentou que exatamente os mesmos passos serão necessários nos países – inclusive muitas economias em desenvolvimento e de baixa renda – que ainda têm baixas contagens de infecção. Já podemos prever que alguns desses países precisarão de assistência externa para se preparar para surtos domésticos. A cooperação e o apoio internacional são, portanto, cruciais para gerenciar a crise em nível global.

De qualquer forma, o ponto principal é que as etapas necessárias para reiniciar a economia são as mesmas necessárias para retardar a transmissão do vírus. À medida que antecipamos o fim do distanciamento social agressivo, desenvolver a capacidade dos testes, rastreamento de contatos, isolamento e tratamento se torna uma prioridade econômica urgente. É absolutamente necessário reduzir os riscos do contato interpessoal, para que aqueles que sentem que devem retornar ao trabalho possam fazê-lo, e para que aqueles que tentem se auto isolar possam voluntariamente retornar às escolas e à atividade econômica completa, sentindo-se relativamente seguros.

Os casos da Ásia sugerem que as tecnologias digitais são ferramentas eficazes para direcionar e monitorar infecções e para manter pessoas e autoridades informadas sobre os riscos. Algumas das técnicas mais eficazes dependem de dados de localização e em alguns países podem levantar preocupações com relação à privacidade.

Mas, dada a escala do desafio, esses métodos não devem ser descartados de imediato. As plataformas já possuem dados de localização que podem ser usados ​​para informar os cidadãos sobre a potencial exposição. Afinal, a infraestrutura digital já provou ser uma fonte importante de resiliência econômica nessa crise. Sem ela, trabalho e educação à distância, comércio eletrônico e serviços financeiros digitais não seriam possíveis, e o distanciamento social agressivo já teria levado a economia a uma parada quase completa.

Michael Spence, Ganhador do Prêmio Nobel de Economia, é Professor de Economia da Faculdade de Comércio Stern, da Universidade de Nova York e Membro Sênior da Hoover Institution.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.