O cabo agoniza no 39º aniversário da MTV

Crescimento de serviços de streaming como a Netflix marcam a derrocada da TV a cabo

No dia 1 de agosto de 1981, 39 anos atrás, entrava no ar o veejay Mark Goodman para anunciar o início da transmissão daquela emissora que iria revolucionar os meios de comunicação durante a década que se iniciava: a MTV. Focada no público jovem, o primeiro clipe programado foi o da banda inglesa Buggles, com a música “Video Killed the Radio Star”. A letra falava de uma era na qual as grandes estrelas do rádio foram apagadas pela televisão, uma metáfora perfeita para o que aconteceria no cenário musical logo em seguida. A MTV se transformaria na maior referência para vender discos, deixando as emissoras de rádio – até então as maiores promotoras de hits – para trás.

Logo nos anos 1990, o conceito de programação da MTV mudou, deixando de ser uma emissora que só passava vídeos para se tornar efetivamente um canal voltado para o público jovem, também apresentando shows que nada ou pouco tinham a ver com a música. A emissora se tornou uma das estrelas do mercado a cabo e puxou as vendas dos pacotes distribuídos pelas empresas do ramo, seja por satélite ou por fio.

Nesta semana que passou, os canais a cabo se mostraram algo ligado ao passado, exatamente como as emissoras abertas se tornaram obsoletas com o surgimento de alternativas como a MTV e muitas outras. Essa percepção deve-se ao fato de que sistema por cabeamento está sendo ultrapassado pelos serviços de streaming. Somente um deles, a Netflix, conta com 70 milhões de usuários pagantes nos Estados Unidos.

Esse número impressiona quando levamos em consideração que todas as operadoras a cabo têm naquele país 77,5 milhões de assinantes.

Há inúmeras razões para o crescimento do streaming em detrimento das assinaturas de cabo. Provavelmente a principal explicação seja o preço. Empresas de telefonia, como a Vivo e a Claro (para ficar nos exemplos brasileiros), oferecem pacotes premium que, em famílias grandes, podem chegar a R$ 1 000 mensais, incluindo aí serviços de acesso à internet e combo com contas de aparelhos celulares. O custo de uma assinatura de Netflix para quatro pessoas? Nem cinquenta reais.

Muitos clientes ainda mantêm os pacotes de TV por assinatura por conta do provimento de acesso à internet, que tem uma velocidade melhor por cabo do que pelo sistema wireless. Mas imaginem o que pode acontecer quando o sinal 5G estiver disponível (testes preliminares mostraram que sua velocidade pode ser, em média, 20 vezes mais rápida que a rede atual de 4G).

Quando houver a passagem para o 5G, o cabo se tornará tão obsoleto quanto o gelo vendido em barras se transformou em comparação com o lançamento das geladeiras nas década de 1920. Curiosamente, naquela época, houve quem investisse dinheiro para comprar empresas que produziam gelo para consolidá-las e aumentar sua produtividade, vendendo barras a preços menores. Essa estratégia baixou os preços, mas não impediu que a população comprasse aparelhos domésticos de refrigeração. Rapidamente as geladeiras ganharam as casas e a produção de gelo foi restringida a mercados profissionais.

As empresas de distribuição de sinal a cabo, no Brasil, também têm outros produtos de telefonia e irão lucrar com a chegada do 5G. Mas a decadência deste sistema tem a ver também com dois fatores.

Um é relativo aos consumidores mais jovens, que preferem acessar conteúdo de smartphones e notebooks – mas têm verdadeira aversão a manusear aparelhos de televisão. Os distribuidores de sinais a cabo, de alguma forma, estão ligados a esse universo e acabam rejeitados pelos mais novos.

Outro fator que colocou os sistemas de streaming em evidência foi a disposição em investir no conteúdo próprio, sem precisar dos grandes estúdios para encontrar alternativas de qualidade para oferecer aos assinantes – ou esperar a quarentena imposta pelas redes de cinema para programar os grandes blockbusters.

Tudo isso faz das emissoras a cabo candidatas a dinossauros, ícones de um passado que não volta mais. Como no vídeo inaugural da MTV, que falava sobre a TV ter acabado com as estrelas do rádio, talvez elas não consigam fazer a transição para o mundo do streaming. Mas, para ter certeza sobre isso, só o tempo dirá. Ah, uma curiosidade. O veejay da inauguração da MTV, Mark Goodman? É hoje locutor da Sirius Satellite Radio. Ou seja, ele fez o caminho oposto ao que dizia a música dos Buggles que apresentou 39 anos atrás: largou o vídeo e se tornou um “radio star”.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE