Bolsonaro começou a perder o apoio da elite. Pode reverter esse quadro?

Há uma forte semelhança entre os estilos de Jair Bolsonaro e Donald Trump. O que aconteceu nos Estados Unidos pode ocorrer aqui?

Política é algo imprevisível e gera surpresas o tempo todo. No início do ano passado, por exemplo, a reeleição de Donald Trump parecia ser uma barbada, apesar do estilo truculento do hoje ex-presidente. A economia andava bem, o desemprego atingia nível mínimo e Joe Biden era visto como um candidato fraco. Mas a pandemia veio e mudou o cenário completamente.

Com a economia paralisada, a personalidade torpe de Trump passou a incomodar. Como se sabe, eleições são movidas a antagonismos e a comparações. E Biden se transformou em um antípoda do ocupante da Casa Branca, com um discurso conciliador e toques de acolhimento. Assim, sua figura um tanto anódina ganhou ares de estadista quando comparado ao jeitão troglodita de Trump.

Daí para a vitória foi um pulo, apesar das contestações de fraude feitas pelos trumpistas (até agora, sem nenhuma prova). O discurso de posse de Biden reflete o movimento que o levou à Casa Branca. Democrata, ele citou um único presidente do passado, o republicado Abraham Lincoln, que disse, referindo-se à ordem executiva que extinguiu a escravidão em todo o território americano: “Se meu nome entrar para a história, será por causa deste ato. E minha alma inteira está nesse ato”. Em seguida, Biden arrematou: “Neste dia de janeiro, toda a minha alma está nesse propósito: unir a América, unir nosso povo, unir nossa nação”.

Essa abordagem é exatamente a oposta de seu antecessor, que apostava no conflito permanente e foi derrotado nas urnas. Há uma forte semelhança entre os estilos de Jair Bolsonaro e Donald Trump. O que aconteceu nos Estados Unidos pode ocorrer aqui?

Ainda é cedo para afirmar alguma coisa. Afinal, ainda estamos longe do primeiro turno, em outubro do ano que vem. Mas há uma semelhança clara entre eleitores brasileiros e americanos: uma mudança de comportamento que surgiu com a pandemia e se refletiu na rejeição ao conflito permanente. Com a perspectiva concreta de ser atingida por algo tão letal como o coronavírus, a maioria da sociedade rejeitou teorias da conspiração – muitas das quais propagadas pelo presidente – e se posicionou a favor das vacinas.

Foi nesse momento que o governo perdeu a mão. Ao minimizar a vacina e insistir na cloroquina como medicamento profilático, Bolsonaro sensibilizou apenas seus seguidores mais fiéis. Aqueles que queriam ser vacinados e tinham medo da doença (que tem índice alto de letalidade, é preciso repetir) não se sentiram mais representados por um mandatário que não tem empatia e produziu inúmeras frases infelizes ao longo de 2020 (“país de maricas”, “gripezinha”, “e daí?”, “coronavírus está superdimensionado” e muitas outras).

O efeito desta atitude agressiva já se faz ver, mas ainda não atingiu a grande massa. A aprovação do governo, por conta do auxílio emergencial, ainda está alta entre quem ganha menos de 3 salários mínimos. Mas, caso haja um corte destes benefícios (há limitações sérias de caixa no Tesouro), esses números podem cair.

Já em relação à elite e à classe média, o cenário é outro. Esses eleitores começam a criticar abertamente Bolsonaro nas redes sociais – e, muitas vezes, esses apupos vêm de pessoas que sufragaram o então candidato do PSL nas urnas. Mas essas críticas não necessariamente significam uma rejeição absoluta: se houver um segundo turno, em 2022, entre o presidente e um candidato de esquerda, é provável que esse eleitor, mesmo a contragosto, vote em Bolsonaro. Em compensação, milhões de pessoas podem escolher como adversário do presidente um nome mais moderado que o atual chefe de Estado. Assim, se houver uma final entre a situação e um candidato com maior empatia, o resultado pode ser ruim para o Palácio do Planalto.

Dentro deste cenário hipotético, quem seria o Joe Biden brasileiro?

Vários nomes concorrem para isso, como Sérgio Moro, Luciano Huck e João Doria. Desses, o governador de São Paulo conseguiu maior projeção, seja por ter emplacado a CoronaVac ou por ter antagonizado com Bolsonaro na imprensa. Mas Doria precisa ainda fazer as pazes com o eleitorado da capital de seu estado, ainda inconformado com a renúncia à prefeitura apenas 14 meses após a posse.

Mas, como política é algo imprevisível, esses paulistanos podem passar apoiar Doria por conta de seu esforço para viabilizar a vacinação. Só que, neste panorama de fatores inesperados, um novo nome pode surgir para rivalizar com o presidente e deixar os atuais oposicionistas para trás.

Em janeiro de 1993, por exemplo, o ministro da economia era Eliseu Resende e o país lutava contra o dragão da hiperinflação. Dentro desse contexto, se falava em poucos candidatos para a eleição presidencial do ano seguinte. Em maio de 1993, no entanto, Fernando Henrique Cardoso foi nomeado o chefão da economia e em fevereiro de 1994 lançou o Plano Real. A inflação foi finalmente controlada e FHC se desincompatibilizou do cargo para concorrer à presidência, para a qual foi eleito com 54 % dos votos em um só turno.

Esse fenômeno pode acontecer de novo? Com certeza. Resta saber se ele vai se repetir em 2022 ou em outra eleição posterior.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.