É preciso desolavizar nossas relações exteriores

Assim como em tudo mais que tocaram, os olavistas demonstram apenas a mais pura incompetência

Quem será a mente brilhante por trás de nossa estratégia internacional? Em poucas semanas, o Brasil: se recusou a parabenizar o presidente-eleito americano, ao mesmo tempo em que ameaçou os EUA com nosso poderio militar em caso de desentendimentos quanto à Amazônia. Piorou o mal-estar com França e Alemanha, novamente ligado ao desmatamento e aos incêndios na Amazônia. Por fim, graças a novas declarações de Eduardo Bolsonaro (que é o chefe de facto de nossas relações exteriores), voltamos a criar atritos com a China, ligados à escolha do 5G. Em suma, compramos briga simultaneamente com EUA, União Europeia e China. Brilhante!

Na mente do governo, falar grosso e fazer bravata no plano internacional são vistos como vitórias em si mesmo, ainda que nos afastem de nossos objetivos. Queremos firmar o acordo comercial com a Europa, queremos o melhor negócio possível para o 5G no Brasil; isso fica em segundo plano para a possibilidade de “fazer bonito” nas redes sociais. Do ponto de vista do governo, faz sentido mesmo: é com esse teatrinho que Bolsonaro mantém sua base feliz e mobilizada. Mas está nos afundando de maneira séria.

O problema é que nossas relações internacionais continuam nas mãos da chamada ala olavista. Assim como em tudo mais que tocaram, os olavistas demonstram apenas a mais pura incompetência. Não trazem resultado nenhum, e promovem apenas intriga e conflito por onde passam. Com eles, o fracasso é certo.

O tempo de brincadeira acabou. O governo, confrontado com uma possibilidade real de impeachment na primeira metade do ano, abraçou-se ao centrão, e teve que reduzir a influência dos olavistas na Educação e da comunicação oficial. Não dá para dizer que essas áreas sejam, agora, um grande sucesso; mas só de não termos mais um Ministro de Estado xingando a mãe de cidadãos no Twitter e celebrando o corte de verba de universidades já é algo positivo.

Os seguidores de Olavo de Carvalho continuam entrincheirados, contudo, nas relações internacionais. Enquanto Trump estava no poder, eles tinham um salvo-conduto para levar adiante seu mix de bajulação, intriga, bravata e fake news. 

Eduardo Bolsonaro acusou a China de espionagem. O embaixador chinês usou o meio que o governo brasileiro mais gosta – as redes sociais – para escalar o discurso. E agora, vamos fazer o que? Se China e EUA querem ter o Brasil a seu lado no 5G, cabe a nós receber propostas dos dois lados e escolher a que nos parecer melhor, juntando critérios econômicos, tecnológicos e considerações geopolíticas. Jogar-se no colo dos americanos e rejeitar os chineses na largada é garantir que ficaremos dependentes dos EUA, aceitando qualquer coisa que venha deles.

Com Trump, essa estratégia já era ruim; ficávamos à espera de migalhas. Com a vitória de Biden, a maré virou. Os EUA voltam a defender a ordem mundial liberal – baseada em regras e órgãos multilaterais – que eles próprios criaram no pós-guerra e consolidaram com o fim da Guerra Fria.

Neste momento, a pauta ambiental ganha importância renovada no mundo. A rivalidade entre EUA e China deve se manter, mas agora de maneira mais previsível. Biden quer enquadrar a China nas regras internacionais (econômicas, ambientais), e não apenas fazer um cabo de guerra comercial com desfecho incerto. É o momento do Brasil deixar de lado o amadorismo de Eduardo Bolsonaro e Ernesto Araújo e resgatar seus quadros de excelência, graças aos quais o Itamaraty e a diplomacia brasileira são referência mundial.

Não há cruzada global para defender a fé cristã. Trump não era um enviado de Deus numa missão sagrada. O tal do “globalismo”, o grande inimigo, sequer existe. Tudo isso eram mistificações de discurso usadas para justificar uma subserviência automática à agenda da extrema direita americana, a quem os olavistas servem (é curioso notar o fascínio deslumbrado de Eduardo e Carlos Bolsonaro com os EUA). O mundo é complexo, os desafios políticos, comerciais e ambientais são enormes e o Brasil corre o risco sério de ficar isolado. O tempo da pirraça acabou. É preciso desolavizar nossas relações exteriores.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.