Verificação de adicionalidade: qual o impacto causado por um programa?

Escolha adequada do método de adicionalidade e a definição do grupo de controle de maneira correta são essenciais

Como podemos medir o impacto causado por um projeto na vida dos beneficiados? Quando tentamos responder a essa pergunta, em muitos casos, estamos interessados em comparar a renda, a probabilidade de se conseguir emprego, a escolaridade (ou qualquer outra variável potencialmente afetada pela iniciativa) de um atendido pelo programa com o que teria ocorrido se ele não tivesse participado da ação. E isso, na maioria das vezes, não é um exercício simples. Os métodos de verificação de adicionalidade buscam maneiras de se mensurar, de modo mais satisfatório possível, a diferença entre o que ocorreu com o participante em um projeto com o que teria acontecido com essa mesma pessoa caso não fosse beneficiada.

Essa ideia de se comparar o resultado efetivo com o que teria ocorrido sem a intervenção remete à noção de contrafactual. Em um exemplo retirado do Guia de Avaliação de Impacto Socioambiental do Insper Metricis, ao se avaliar a influência do uso de óculos para um deficiente visual, bastaria pedir que o paciente fizesse o exame de vista com e sem óculos. O contrafactual do paciente com óculos seria o próprio paciente sem óculos. No entanto, em muitos casos, as intervenções trazem resultados de longo prazo e os indivíduos participantes dos projetos são afetados por muitos outros fatores ao longo do tempo, de modo que essa comparação não é tão simples de ser feita.

Há muitas formas de se verificar a adicionalidade de um programa e, na maioria dos casos, elas partem da definição de um grupo tratado (ou seja, aqueles que se beneficiaram com a iniciativa) e um grupo de controle (indivíduos que não participaram da ação), que servirá de contrafactual. Usualmente o grupo de controle é composto por um conjunto muito similar ao tratado. E isso é feito para que as diferenças constatadas entre os estes dois grupos após a introdução do projeto possam ser atribuídas à participação ou não no programa.

A figura abaixo, retirada do Guia de Avaliação de Impacto Socioambiental do Insper Metricis, ilustra um desses métodos de verificação de adicionalidade. Nele, o grupo tratado e o grupo controle apresentavam uma trajetória muito similar antes do início do projeto, no entanto, após a introdução do programa, houve uma mudança no caminho percorrido somente entre os tratados. A diferença entre os percursos esperado e efetivo fornece o efeito do tratamento neste caso.

 (./Divulgação)

A escolha adequada do método de adicionalidade e a definição do grupo de controle de maneira correta são essenciais para que se possa mensurar o impacto de um projeto. Para uma discussão mais aprofundada, acesse o Guia de Avaliação de Impacto Socioambiental do Insper Metricis.

Boa leitura!

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.