A natureza como inspiração para lidar com desafios de sustentabilidade

Um dos modelos que ganhou espaço nos últimos anos, especialmente na Europa, é o de Soluções baseadas na Natureza ou Nature-based solutions

Em posts anteriores neste blog apresentei evidências e reflexões sobre os problemas e desafios da manutenção de áreas verdes na Amazônia e no contexto urbano de São Paulo. Para lidar com desafios como estes é necessário implementar modelos de intervenção que se fundamentem em visão sistêmica e coparticipação de todos os envolvidos no problema e na solução. Um dos modelos que ganhou espaço nos últimos anos, especialmente na Europa, é o de Soluções baseadas na Natureza (SbN) ou Nature-based solutions (NbS).

A expressão foi cunhada entre 2009 e 2010 pela União Internacional para Conservação da Natureza e refere-se a projetos de intervenções humanas inspiradas nas funções naturais de ecossistemas saudáveis. São soluções que protegem o meio ambiente e proporcionam, concomitantemente, inúmeros benefícios econômicos e sociais. As SbN valem-se de atributos e processos do sistema complexo da natureza, como sua habilidade de armazenar carbono e regular o fluxo hídrico, com o objetivo de, por exemplo, reduzir o desmatamento, o risco de enchentes e promover a economia verde e inclusiva.

No exterior, exemplos reconhecidos são o da Floresta Urbana de Melbourne e os parques lineares, como o Parque da Família em Santiago, no Chile. Outros exemplos referem-se à revitalização de rios, como em Seoul e em Nova York (Rio Bronx). No Brasil existem alguns projetos, como o teto verde do Shopping Eldorado em São Paulo e a instalação de wetlands para tratamento de esgotos no Rio Grande do Sul.

Mais recentemente, vários manifestos ao redor do mundo sugeriram que a recuperação das economias pós-Covid-19 deveria se fundamentar em modelos sustentáveis, verdes e inclusivos. Nesta linha, recentemente foi lançado o Nature + Accelerator Fund, um fundo de conservação da natureza com foco no setor privado, que oferece benefícios sociais e de conservação mensuráveis, ao mesmo tempo que proporciona retorno financeiro para os investidores.

O foco do fundo será investir em conservação marinha e resiliência costeira; sistemas de produção de pequenos agricultores e agricultura sustentável; conservação e restauração de ecossistemas; e inovação em serviços, finanças e tecnologia. O Global Environment Facility (GEF) é o investidor âncora, a Mirova é responsável pela estrutura e operação do fundo e a Coalizão para Investimento Privado em Conservação (CPIC) fornece planos de investimento. O Nature + Accelerator Fund já garantiu US$ 8 milhões em financiamento.

Apesar de várias notícias ruins sobre o desmatamento, ainda restam algumas esperanças. As Soluções baseadas na Natureza podem ser parte da solução, impulsionando a transformação nas políticas e investimentos dos setores público e privado, a fim de atender às metas de resiliência de longo prazo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.