Oito megatendências ecológicas para o mundo pós coronavírus

A epidemia será uma das experiências mais traumáticas da história moderna. Mas, com sorte, poderemos sair dela mais preparados para os desafios ambientais

O desenrolar da pandemia de coronavírus ainda é um mistério. Mas podemos afirmar que esse episódio deixará marcas profundas na humanidade. O período de angústia, sofrimento e perdas deve gerar um grande trauma em escala global. Toda a geração que passou por isso ficará marcada e sairemos dessas com novas visões de mundo. 

É possível que a crise dure muito. Para administrar a velocidade de contágio e tentar evitar o colapso dos sistemas de saúde, autoridades de vários países manterão a população em estado de distanciamento social ou quarentena em sucessivas ondas de maior e menor restrição. Até a proporção de pessoas imunes reduzir o risco da doença. Ou até a chegada de uma vacina, que pode demorar anos para ser inventada e produzida em larga escala. Especialistas em epidemiologia começam a calcular que o período de exceção que vivemos pode se estender até o fim de 2022.

É um período longo de home office, restrição de atividades com multidão, redução de viagens aéreas e outras grandes alterações em nossos meios de produção, convívio familiar e entretenimento. Vai transformar radicalmente as economias, os serviços, as tecnologias, os hábitos, o nosso paradigma de sociedade. Naturalmente, qualquer exercício de futurologia agora é arriscado. Mas já é possível vislumbrar algumas grandes tendências do mundo que virá por aí. Muitas delas coincidem com a visão de uma humanidade que usa de forma mais sustentável os recursos naturais do planeta.

Talvez a crise do coronavírus, que deve durar alguns anos, acelere a transição da sociedade para formas de viver e produzir que nos ajudem a lidar com outra crise global – a das mudanças climáticas – que certamente vai durar pelos próximos séculos.

A seguir, uma tentativa de traçar 8 megatendências ecológicas para o mundo pós-coronavírus:

Maior credibilidade da ciência, principalmente em sua capacidade de antecipar perigos. Menos espaço para negacionistas.

 Isso já está acontecendo. Os cientistas alertaram que uma epidemia dessas poderia ocorrer. Também anteciparam algumas das consequências de deixar essa epidemia correr solta. Os que tentaram negar as evidências e estimativas dos cientistas foram obrigados a voltar atrás, rapidamente derrotados pelos fatos. Os cientistas vêm alertando para outros riscos, como na área ambiental. É provável que a lição trágica de tentar negar o conhecimento e os alertas científicos seja aprendida por muitos líderes e por cidadãos comuns.

Seria um grande ganho para todos, porque poderíamos parar de gastar energia tentando convencer um grande número de desinformados que o consenso científico não vem por acaso e dedicar tempo e recursos preciosos para resolver os problemas, ou reduzir seus danos. “Nós vimos as terríveis consequências daqueles que rejeitaram os avisos da pandemia. Não podemos mais arcar com as consequências da negação das mudanças climáticas”, afirmou por tuíte o ex-presidente americano Barack Obama no dia 31 de março.

Valorização das coisas simples versus consumismo

Estamos passando por momentos de grande angústia e incerteza. Estamos lutando por nossas vidas, e pela vida das pessoas que amamos. Estamos sacrificando nosso conforto (ficando em casa) e boa parte de nossas riquezas (optando por medidas com impacto econômico) para isso. Estamos todos fazendo a escolha de valorizar a vida antes de qualquer opção financeira. Mesmo assim haverá sofrimento. Depois disso viveremos dias difíceis e longos de empobrecimento generalizado, dificuldades materiais.

Mas será possível saber que superamos um desafio gigante. Essa experiência forte já está levando algumas pessoas a valorizar as relações humanas, a família, pequenos prazeres, objetos do dia-a-dia, aquilo que temos em casa. Para suportar a angústia e a incerteza, as pessoas estão buscando engrandecimento espiritual, pensando mais em aproveitar o presente. Haverá um resgate de estilos de vida simples, mais focados nas relações humanas, na saúde e na felicidade, e menos na acumulação de bens tidos como supérfluos. 

A expansão das atividades humanas que dispensam o deslocamento físico

Sim. Quando o longo período de distanciamento social passar, voltaremos a nos encontrar, a viajar, a participar de eventos com multidões. Mas a conquista dos meios de comunicação remotos veio para ficar. Durante os longos meses de contenção da epidemia, desenvolveremos formas eficazes de trabalhar, fazer compras, falar com os amigos, tudo à distância. Descobriremos que muitas viagens de carro e de avião são desnecessárias mesmo. Empresas, negócios e trabalhadores vão se ajustar para trabalhar em casa.

Durante a retomada, com a economia retraída, será mais difícil encontrar posições de trabalho estáveis, e mais gente permanecerá em casa, com tarefas esporádicas remuneradas. Isso tudo trará um ganho de redução de trânsito. Queimaremos menos combustível à toa, perderemos menos tempo no congestionamento, deixaremos o ar das cidades mais limpo.

Aumento da solidariedade

A epidemia ameaça a todos. Controlar a velocidade de contágio não depende só de uma pessoa ou uma família. É um esforço coletivo. Toda pessoa que respeita o espaço do outro na fila do supermercado está ajudando. Quem deixa de sair de casa ou toma cuidado com a distância do outro na rua. Estamos vendo manifestações gerais de solidariedade com doações materiais, com esforços conjuntos de empresas para desenvolver material de higiene ou equipamentos médicos. Estamos vendo vizinhos se organizado para usar as áreas livres do prédio ou para fazer compras para quem está preso em casa.

É comprovado que hábitos e práticas mantidos com regularidade por um tempo sustentado, reforçadas por incentivos positivos como elogios e sensação de segurança, tendem a se firmar. Isso significa que a sociedade com um todo está adquirindo mais solidariedade. Quando a crise específica do Covid-19 passar, essa confiança recíproca adquirida – ou nosso capital social – será mantido.

Essa capacidade conjunta naturalmente será aplicada para resolver outras questões que afetam a todos, como muitos dos desafios ecológicos. Isso será importante para lidar com os problemas ambientais que envolvem o uso equilibrado de recursos compartilhados, como rios, oceanos, florestas ou mesmo a atmosfera da Terra no caso das mudanças climáticas.

Compreensão de que o mundo está conectado

Os países bem que tentaram fechar suas fronteiras, para reduzir a velocidade do contágio. Mas é uma medida paliativa. Só será possível eliminar o risco do Covid-19 quando todos os países conseguirem exterminar o vírus. Outras doenças também dependem a colaboração internacional para serem contidas e não se expandirem numa pandemia, como esta. As informações científicas e as experiências de estratégias para conter a epidemia também circulam entre os países. Esse é um problema claramente global. As grandes questões ecológicas da atualidade também têm essa característica.

As emissões dos SUV com um passageiro nos Estados Unidos e do desmatamento na Amazônia brasileira estão alterando o clima do planeta inteiro, provocando elevação desastrosa do nível do mar em Bangladesh e agravando os incêndios florestais na Austrália. Ainda estamos no início da crise da pandemia. Quando ela tiver passado, é possível que esteja mais claro que a segurança de cada país depende, em boa parte, na estabilidade do resto do planeta.

Crítica à produção industrial de animais que dá origem a novas doenças

Ninguém está falando muito disso agora. Mas muitos dos processos de produção industrial de animais criam vulnerabilidades para o surgimento de doenças potencialmente catastróficas. O Covid-19 provavelmente veio de práticas de armazenar animais selvagens presos em jaulas sem condições de higiene, para consumo humano na China.

Havia muitos alertas científicos que o consumo de animais silvestres com aquela falta de cuidados poderia dar origem a um patógeno desses. Mas não havia vontade política para agir. Agora, a prática foi abolida pelo governo chinês. Mas ainda precisamos lidar com as fábricas de proteína animal.

Os sistemas industriais de produção animal são fontes potenciais permanentes de novos vírus capazes de gerar pandemias piores do que a atual. A gripe suína H1N1 de 2009 parece ter surgido em uma operação de confinamento nos EUA. A gripe viária H5N1 de 1997 saiu de granjas na China. Outras gripes viárias perigosas surgiram nos EUA, na Índia e na China. Foram sufocadas com o sacrifício rápido de criações inteiras de frangos antes que se espalhassem pelos humanos. É um risco permanente.

As condições de criação envolvem animais com pouca variedade genética, submetidos a condições de baixa imunidade. A revista científica American Journal of Public Health alertou em editorial de 2007 que a produção industrial de animais poderia ser a origem da próxima grande pandemia. Nunca foram levados a sério. Agora, diante do trauma do Covid-19, as autoridades e, principalmente os consumidores, deverão questionar a necessidade de medidas de precaução. Elas envolvem grandes mudanças na lógica da produção em massa. Mas o mundo já está virando de cabeça para baixo de qualquer forma.

    Menos ar condicionado e mais janelas abertas

    O sol e o ar puro estão sendo louvados como fatores de prevenção ao contágio do Covid-19. Estamos sendo orientados a desligar o ar condicionado nas residências e áreas comerciais, abrir as janelas e deixar o ar de fora entrar. A mesma orientação vale para quem circula de carro. Desligue o ar e abra as janelas.

    O uso excessivo de ar condicionado – com seus filtros de pólen nem sempre impecavelmente limpos – está associado a doenças respiratórias e alérgicas. É claro que o ar condicionado oferece conforto nos dias mais quentes. Ele será necessário para as cidades cada vez mais quentes com as mudanças climáticas.

    Mas os meses de confinamento e cuidados com o ar viciado dos ambientes fechados provavelmente trarão a valorização de projetos arquitetônicos que aproveitam a circulação natural de ar, renovando o ambiente com o frescor de fora. Isso será bom não só para nossa saúde. A redução no uso do ar condicionado também diminuirá o consumo de energia e o vazamento para a atmosfera de gases refrigeradores com alto potencial de efeito estufa. Respiraremos melhor.

    Valorização das áreas naturais

    Semanas ou meses de confinamento dentro de apartamentos, olhando para a paisagem urbana na janela. Enfrentando angústia e perdas. As pessoas já estão manifestando desejo de maior contato com a natureza. As famílias que podem estão escolhendo passar o período de quarentena em casas de campo ou na praia, em contato com a natureza.

    Passeios em áreas naturais ou perto de cenários como montanhas, lagos ou praias reduzem o estresse no período de distanciamento social. Os ambientes naturais sabidamente oferecem sensação de paz nos momentos difíceis. Observar o ciclo natural ou movimentos simples como uma formiga subindo uma árvore ajuda a oferecer conforto para quem perdeu uma pessoa querida.

    O ar puro e a paisagem natural têm efeito reconhecido para a saúde mental, para recompor a imunidade. Muitas cidades fecharam o acesso aos parques públicos urbanos, privando os cidadãos desses espaços verdes. A privação irá aumentar a valor desses metros quadrados de natureza sobreviventes nas grandes cidades. 

    É claro que isso não compensa o imenso sofrimento humano que estamos vivendo e vamos viver. Também seria ingenuidade pensar que todas as lições dessa epidemia tornarão nossas sociedades mais saudáveis. Mas a resiliência das famílias, das comunidades e dos países reside em sua capacidade para aprender com a dor e buscar mais sustentabilidade. Com sorte, a humanidade sairá um pouco mais sábia desse episódio.

    Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.