• BVSP 104.417,08 pts -3,1%
  • USD R$ 5,7277 +0,0684
  • EUR R$ 6,6651 +0,0869
  • ABEV3 R$ 14,78 -2,38%
  • BBAS3 R$ 28,68 -3,82%
  • BBDC4 R$ 20,13 -5,27%
  • BRFS3 R$ 22,02 -3,42%
  • BRKM3 R$ 54,52 -4,28%
  • BRML3 R$ 7,07 -7,46%
  • CSAN3 R$ 19,81 -6,95%
  • ELET3 R$ 34,1 -5,91%
  • EMBR3 R$ 23,69 -1,82%
  • Petróleo US$ 84,97 +0,43%
  • Ouro US$ 1.785,80 +0,22%
  • Prata US$ 24,37 +0,64%
  • Platina US$ 1.047,00 -0,26%

Os caminhos para um novo morar

A construção civil não pode ficar alheia às mudanças do mercado, seja por pressão de consumidores ou de investidores cada vez mais atentos a soluções ESG

O mercado é feito de ciclos econômicos e a cada período surge uma nova tendência. Há alguns anos, vimos as grandes empresas se dedicarem à sustentabilidade: foram montados comitês, departamentos, contratados executivos e a chancela de companhia sustentável passou a ser um requisito importante não só como atributo de marca mas também como exigência do compliance.

Com o tempo, a sustentabilidade entrou de forma tão orgânica na gestão dos negócios  que deixou de ser uma frente tratada à parte e foi dando espaço para outras demandas, que variaram entre modas passageiras e pontos efetivos de amadurecimento.

Nos últimos dois anos, vimos despontar o ESG. As empresas passaram a buscar ações alinhadas às melhores práticas ambientais, sociais e de governança, dando mais solidez para o que antes entendíamos como sustentabilidade. Ao mesmo tempo, investidores passaram a perceber o potencial de negócios “verdes”, e os consumidores, a exigir com mais frequência produtos que possuem esses atributos.

Não é um movimento linear em que uma coisa acontece em decorrência da outra, mas, sim, uma soma de forças que direcionam nosso comportamento como sociedade.

Quando já estávamos nesse caminhar, veio a pandemia do coronavírus e nosso modo de consumo foi colocado em xeque. Muitos de nós ficamos confinados, vivendo a atribulada rotina de home office, home schooling e fazendo compras pela internet.

Se antes entendíamos nossa casa como um local para “voltar ao final do dia”, começamos a passar dias inteiros sem sair dela. Dentre todas as reflexões que a situação nos infligiu, tivemos que repensar o nosso jeito de morar.

Espaços que antes estavam diminuindo por questões de praticidade tornaram-se angustiantes. Com isso, o desejo por casas que comportem nossas novas rotinas aflorou -- não só em termos de tamanho mas também em relação à localidade, à vizinhança e à proximidade com o verde, por exemplo.

Cansamos de nossas paisagens cinzas e entendemos que podemos viver melhor, dentro de ambientes com mais bem-estar, conectados com pessoas que compartilhem conosco das mesmas necessidades e urgências. Mas se por um lado a busca por morar melhor cresceu, por outro a construção civil ainda não conseguiu reagir enquanto setor.

Majoritariamente, estamos falando de uma indústria que, segundo o Dieese, representa 3,7% do PIB nacional, mas que até este momento está longe dos pilares do ESG. Ainda discute-se pouco o impacto causado pelo uso de matérias primas não-renováveis como concreto e aço, o gasto exorbitante de água e a grande geração de resíduos das obras.

O fato é que o segmento não pode ficar alheio às mudanças do mercado, seja por pressão de consumidores ou de investidores cada vez mais atentos a soluções que conversem com o ESG.

Um dos desafios é sair de ações eventuais para realizações que gerem impactos de longo prazo. Não basta, por exemplo, falar em reúso de água, mas, sim, preservação dos recursos hídricos. Não é mais questão de paisagismo, mas de proteção e regeneração das nascentes com plantio de espécies nativas.

Responsável por aproximadamente 18% das emissões globais dos gases de efeito estufa, a construção civil precisa se reinventar. E, para tanto, há soluções e saberes que já estão à disposição de empresas, engenheiros e arquitetos. Um bom exemplo é a difusão de soluções construtivas em madeira engenheirada e woodframe, que despontam como sistemas alternativos de carbono-negativo para casas e edifícios de diferentes tipologias.

Se há alguns anos podíamos dizer que o cliente das incorporadoras e construtoras não entendia o valor da sustentabilidade, agora sabemos que ele a tem como critério de seleção. Também já está claro que essa tendência transpassa os segmentos, do popular ao alto padrão, da edificação à infraestrutura dos loteamentos.

Aliás, o excesso perdeu lugar e o novo luxo reside agora nas escolhas conscientes e na exclusividade. Esse amadurecimento do consumidor é a pedra fundamental para que o setor se organize em torno dessa demanda.

Por experiência própria, sei dos desafios e das oportunidades, mas tenho a confiança de afirmar que o futuro da construção civil está na emissão zero de carbono. Cabe a nós, empreendedores, oferecermos produtos inovadores e guiarmos nossos clientes nessa jornada pelo novo morar.

*Marcelo Willer é arquiteto urbanista e CEO da Artesano Urbanismo.

 

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.