Um equilíbrio delicado — cultura x crescimento

Lembrar-se constantemente dos valores e da cultura de uma empresa é fator tão importante quanto revisar e revisitar a visão e a estratégia

Por: Florian Hagenbuch

Longe de soarem como clichês ou frases feitas na organização interna de uma empresa, seus valores e sua cultura devem ser levados muito a sério para assegurar um desenvolvimento saudável. E isso só é possível quando esses valores e a cultura da companhia caminham de mãos dadas com a sua estratégia de crescimento.

Mas você deve estar se perguntando: afinal de contas, como é possível alimentar a insaciável fome de crescer - com a adaptabilidade diária e necessária para isso - e, ao mesmo tempo, manter vivos os valores e a cultura de uma empresa?

É um equilíbrio delicado. Especialmente quando estamos tratando do universo de startups, com inúmeras mudanças de rumo e de prioridades, além de metas agressivas em busca da escalada de produtos e serviços. Haja fôlego. Haja jogo de cintura.

Cultura — paixão compartilhada

Em um texto não tão recente, embora bastante atual, Brian Chesky, co-fundador e CEO do Airbnb já chamava a atenção para a importância de manter essa balança equilibrada. O título é sugestivo: “Don’t fuck up the culture”. Numa tradução livre e mais delicada, digamos assim, seria algo como “Não estrague a cultura”.

No texto, voltado a apoiar empreendedores em busca da construção da cultura de suas empresas, ele revela o teor de uma carta enviada para toda a equipe, em 2013. Chesky descreve o encontro que teve com o investidor de risco Peter Thiel, um dos fundadores do Paypal, após a Série C do Airbnb.

Indagado sobre que conselho daria para a companhia naquele momento, Thiel disparou: “Não estrague a cultura”. Chesky pareceu um tanto quanto chocado. “Não era a expectativa que tínhamos de alguém que nos deu U$ 150 millhões”, disse.

Palavrões à parte, o que Thiel queria dizer com a frase de efeito? A intenção era justamente a de um chacoalhão. “Pensei comigo mesmo: quantos CEOs de empresas estão focados na cultura acima de tudo? É nisso que eles passam a maior parte de suas horas a cada semana?”, indagou o co-fundador do Airbnb.

São perguntas que fazem sentido até hoje. “A cultura”, prosseguiu Chesky, é uma forma compartilhada de fazer algo com paixão.” Uma definição simples e, por isso, mesmo, boa em sua essência.

Cultura e valores — alicerces

A título de comparação, fica fácil visualizar a cultura e os valores de uma empresa como os alicerces de um prédio. Sem uma boa base, aquela construção não sobe. Ou pode ruir, caso o serviço não tenha sido bem executado. Nem preciso mencionar a importância disso quando estamos falando, na prática, sobre o mercado imobiliário.

Por isso, respondendo objetivamente às indagações de Chesky, deve-se reservar, sim, tempo para discutir e definir os valores e a cultura de uma empresa. E estar atento à manutenção desses valores e dessa cultura à medida que a empresa vai se desenvolvendo.

De fato, nunca é demais lembrar com frequência do verdadeiro significado de cada valor estabelecido e de como a cultura de uma empresa deve ser levada a sério. É responsabilidade de cada um e de todos.

E aí recorro mais uma vez à comparação com o setor de construção/imobiliário. Uma obra não fica pronta sem o mestre de obras ou engenheiro. Mas, da mesma forma, cada operário é parte essencial desse projeto. Sem cada um dos envolvidos, não tem obra que saia do papel.

Comportamento de construção — e não de consumo
Assim, lembrar-se constantemente dos valores e da cultura de uma empresa e colocá-los em prática no dia a dia é fator tão importante quanto revisar e revisitar a visão e a estratégia de uma empresa em franca expansão.

Esse é um comportamento de construção de uma companhia. Em seu discurso de posse na presidência dos EUA, em 20 de janeiro de 1961, John F. Kennedy disse: “Não pergunte o que os Estados Unidos podem fazer por você, mas o que você pode fazer pelos Estados Unidos”.

Sessenta anos depois, as palavras ecoam e fazem sentido ao pensarmos no ambiente empresarial. Uma empresa deve ser construída - e não consumida por quem está no mesmo barco.

Haverá pressões internas e externas de crescimento - lidar com suas próprias expectativas, por exemplo. Haverá entraves e dificuldades diárias. Haverá imbróglios e burocracias. Haverá erros e acertos. Todas essas questões devem ser enfrentadas para buscar o crescimento. É fácil? Claro que não. Lutar todos os dias para manter de pé os valores e a cultura em meio a isso tudo é que é o desafio.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também