Vem aí a mãe de todas as bolhas no mercado financeiro

A dispersão de desempenho entre as companhias brasileiras será enorme nos próximos trimestres por causa da pandemia do coronavírus. O barato pode sair caro

No clássico livro de 1941: “Ilusões Populares e a Loucura Das Massas” Charles Mackay disserta sobre como o excesso de liquidez na economia e as emoções humanas – principalmente a ganância – geram manias e bolhas nos mercados. O que vemos hoje nos ativos financeiros é quase incompreensível para muitos analistas e economistas.

O índice Ibovespa sobe 50% do nível mais baixo que atingiu em maio, em um cenário de potencial desemprego crescendo assustadoramente resultando em queda de consumo e portanto em uma forte recessão de curto-prazo. Neste ambiente de previsível recessão os lucros das empresas terão queda significativa. Como justificar este otimismo dos investidores?

Da frigideira para o fogo

Parte da explicação tem a ver com a liquidez brutal nos mercados. A reação dos bancos centrais à atual crise da covid-19 foi fulminante e avassaladora. Nunca se viu tamanho pacote de ajuda econômica com injeção de liquidez através de diferentes programas.

Trilhões de dólares/ euros estão sendo injetados nas economias. Seguindo a teoria econômica, quando há um aumento líquido da oferta de um ativo, seu valor potencialmente cai. Ao mesmo tempo com uma maior liquidez na economia há o risco de inflação.

Neste ambiente muitos investidores preferem ter ativos reais. Ouro, Bitcoin (perto das máximas históricas), imóveis e ações de boas empresas são alternativas a ter Reais, que muitos investidores temem que possa se desvalorizar.

Ao mesmo tempo que o dinheiro se desvaloriza os juros de curto-prazo (o famoso CDI) estão no nível mais baixo da história brasileira. Um CDI de 3% ao ano, líquido de imposto, provavelmente é menor do a inflação real de muitos investidores. O custo da escola dos filhos, eventuais viagens ao exterior, restaurantes, etc.. com certeza se apreciam mais do 3% a.a..

Neste cenário, para manter a expectativa de rendimentos o investidor tem de correr mais riscos em seus investimentos. Para ter os mesmo retornos de 2 a 4 anos atrás, teremos de correr mais risco. O tempo dos rentistas na renda-fixa ficou para trás por enquanto.

Dito isso, em março último muitos investidores de bolsa vendo as perdas patrimoniais expressivas no ponto mais agudo da crise venderam suas ações e migraram para renda-fixa de curto-prazo.

Quando abriram os olhos, viram que teriam um retorno real zero ou negativo e viram também o mercado de ações se recuperar lentamente. Ao mesmo tempo, começaram a sentir crise de abstinência do mercado ou “saudades” das empresas que faziam parte de seus portfólios.

Escrever o racional de cada investimento te força a olhar os pontos importantes e com calma refletir sobre os potenciais riscos e o que fazer nas crises

Florian Bartunek, CEO da Constellation Investimentos

Um ensinamento que aprendi logo cedo no mercado é sempre colocar no papel o motivo pelo qual está comprando uma ação – fazer um plano de voo do investimento. Escrever o racional de cada investimento te força a olhar os pontos importantes e com calma refletir sobre os potenciais riscos e o que fazer nas crises.

Quando fiz um treinamento dos Navy Seals na California em San Diego, discutíamos e treinávamos todas as possibilidades que poderiam ocorrer na missão. Qualquer desafio que surgisse, estávamos preparados e cada uma sabia o que fazer. É mais fácil se preparar no meio da bonança do que estar despreparado no meio da tempestade.

Durante as semanas aterrorizantes de março, quem tinha um plano e sabia exatamente porque comprou cada ativo provavelmente teve mais tranquilidade para manter o investimento. Se as empresas escolhidas eram de boa qualidade e tinham posição competitiva sólida, foi menos difícil manter o investimento.

Neste sentido, no atual contexto quais empresas estão indo melhor que a média? A atual crise está acelerando tendências que já vinham acontecendo. Os segmentos de comércio eletrônico, software-as-a-service, computação na nuvem, saúde e serviços financeiros têm acelerado muito a evolução, e em alguns casos até se beneficiado da crise.

Em contraste a estas tendências seculares, setores como viagens, hotéis, shopping centers e restaurantes têm sofrido acima da média com a parada da economia.

A dispersão de desempenho entre as companhias brasileiras será enorme nos próximos trimestres. Como valorar as empresas que vão bem vis-a-vias às que vão “mal”? Prepare-se para pagar um prêmio pelos ativos de melhor qualidade e que têm uma dinâmica positiva. Empresas decadentes ou em dificuldades podem ser “value traps”, armadilhas de valor. O barato pode sair caro.

Sempre levo em consideração o preço que pago por um ativo. Porém, na minha experiência, sempre que achava que estava pagando um prêmio por um excelente empresa, nunca me arrependi. Com o tempo a qualidade do ativo se justifica.

Resumindo, a (1) liquidez jamais vista no mundo, (2) juros praticamente zero no Brasil, (3) fluxo intenso de pessoas físicas e institucionais em busca de retorno em ativos reais, (4) tendências seculares beneficiando alguns setores e (5) algumas empresas indo muito melhor que se esperava antes da crise.

Se prepare, a injeção de liquidez jamais vista deve levar à mãe de todas as bolhas nos mercados. Teremos também várias bolhas filhote em alguns setores e empresas específicas.

O que pode dar errado: uma segunda onda de contaminações por covid-19 ou um nível de desemprego causando uma recessão maior que o esperado.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.