Juros maiores jogarão a taxa de câmbio para baixo? Não necessariamente

A despeito do que o livro texto de macroeconomia sugere, o aumento recente da taxa de juros não está se refletindo em queda da taxa de câmbio

Por Fernanda Consorte

A teoria econômica sugere e comprova que uma variável importante para definir patamar de taxa de câmbio é o diferencial de juros entre as economias doméstica e internacional. Afinal, se a taxa de juros doméstica for mais atrativa do que a internacional, é esperado que atraia fluxo de capital atrás de rendimentos mais altos, aumentando, portanto, a oferta de dólares no país e baixando a taxa de câmbio.

Na última reunião do Copom, o Banco Central (BC) aumentou o tom, tanto em ação como em comunicação. Ora, a taxa de juros agora chegou a 5,25%aa (lembrem-se de que até outro dia estávamos operando em níveis de desenvolvidos, a 2%aa) e o BC já antecipou uma nova alta na ordem de 1 ponto percentual, deixando claro que a inflação se tornou um problema e que está disposto a enfrentá-la de forma incisiva.

Aliás, diga-se de passagem, comunicação pronta e reta não é um problema para essa gestão de política monetária. E faz sentido! A inflação já belisca os dois dígitos (o IPCA já atingiu 9% no acumulado em 12 meses), e está a passos largos de distância da meta (3,75%).

O fato é que os juros também podem voltar a ter dois dígitos, ainda mais num cenário de continuidade de expansão fiscal com final de pandemia. E, justamente, dessa mistura que sairá o patamar da taxa de câmbio.

A despeito do que o livro texto de macroeconomia sugere, esse aumento da taxa de juros não está se refletindo em queda da taxa de câmbio. Vejam, por exemplo, o movimento da semana passada; após a decisão do Copom, houve aumento do tom e mesmo assim a semana encerrou com alta da taxa de câmbio. O que significa que, mesmo a um rendimento maior, o Brasil ainda não é atrativo o suficiente, o risco do País ainda não supera a probabilidade de ganhos por parte dos investidores.

E daí essa culpa ou mais educadamente falando, a explicação dessa percepção do País dá-se justamente pela atual condução fiscal e política. A discussão sobre parcelamento de precatórios, por exemplo, é aceitável, porém a leitura da necessidade desse parcelamento para sobrar recursos para aumentar programas sociais em um ano eleitoral e com a inflação explodindo gera, no mínimo, cautela. Isso que se puxarmos na memória recente temos outros pontos como aumento abusivo do fundo partidário, trocas de ministérios para agradar o centrão e a própria CPI da Covid. Motivos suficientes para o investidor repensar o destino de seu capital.

E essa fábula não é de hoje. Em um rápido exercício de comparação do Brasil com outros emergentes, vemos que o real foi uma das moedas que mais sofreu desde o início da pandemia, só perdendo para Argentina, Turquia e Peru. Em números, até o momento que escrevo esta coluna, o real se desvalorizou 16% enquanto a média dos emergentes foi quase 0%, porque devido à vacinação e à melhora de perspectiva global, a maioria dos emergentes já devolveu a alta do ano passado.

Assim, embora o Boletim Focus do BC mostre expectativas de taxa de juros para 2021 e 2022 acima do que temos hoje (7,25%aa), eu, particularmente, acredito que será ainda mais alto; a conjuntura não está tão encorajadora para atração de capital. Teremos mais juros? Provavelmente. Isso jogará a taxa de câmbio para baixo? Não necessariamente.

Fernanda Consorte é Economista-chefe do Banco Ourinvest

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também