Minha filha quer trabalhar em uma empresa do metaverso. É uma boa ideia?

Uma multinacional famosa, uma consultoria renomada ou um novo unicórnio, pra você, podem ser interessantes para sua filha. E se ela preferir o metaverso?

Emplyment History Fonte: visualcapitalist.com/visualizing-150-years-of-u-s-employment-history/

Fonte: visualcapitalist.com/visualizing-150-years-of-u-s-employment-history/ (Andres Bilbao/Divulgação)

Há poucas gerações, escolher (e explicar) uma profissão era uma missão fácil. Muitas vezes, a escolha seguia o histórico de cada família: médicos, advogados ou agricultores eram as opções óbvias.

Nas últimas décadas, entretanto, a diversificação da econômica se acelerou e novas profissões começaram a surgir. O interesse por economia e administração de empresas aumentou com as funções de varejo e atacado ganhando escala: telecomunicações, entretenimento, serviços financeiros e educação começaram a desenhar o cenário para que grandes empresas de tecnologia como Google, novos unicórnios como a Rappi e ONGs se tornassem as opções desejadas.

Desde a década de 70 as empresas iniciantes passaram a ser as grandes responsáveis ​​pela criação de empregos. Em 2015, 414.000 startups criaram 2,5 milhões de novos empregos nos EUA e entre  2015 e 2019, o número de startups no Brasil mais que triplicou, passando de 4.151 para 12.727, um crescimento de 207%.

A gig economy, sistema de mercado livre baseado em acordos de trabalho de curto prazo entre empresas e trabalhadores independentes, já é responsável por 57,3 milhões de empregos só nos Estados Unidos. E em 2027, esse número deve chegar a 86,5 milhões.

O mercado de criptomoedas

Entre as startups, as fintechs foram as responsáveis pelo maior crescimento dos últimos anos. E um dos grandes destaques da nova economia são as novas profissões vinculadas ao setor das criptomoedas e da blockchain. Arquitetos de blockchain já figuram entre as profissões mais bem pagas e mais solicitadas de 2021. Mas uma olhada no cryptocurrencyjobs mostra que até mesmo funções não-tech relacionadas ao setor guardam grandes oportunidades.

Se sua filha escolher trabalhar como gestora de comunidade de um projeto cripto, ela pode ter uma remuneração de até R$ 70 mil por mês. Mais do que muitos donos de grandes empresas, médicos e juízes. E ela pode fazer isso de casa, da praia ou de pijama.

Vagas metaverso

 (Andres Bilbao/Divulgação)

Mas, talvez, além de saber manter uma comunidade saudável, ela também precise saber fazer memes para conseguir esse nível de remuneração.

Vaga de meme artist

 (Andres Bilbao/Divulgação)

Atualmente, existem muitas opções dentro do mercado de criptomoedas. E à medida que Bitcoin atinge novos patamares e a indústria cripto converge com setores, tais como realidade virtual, jogos, entretenimento e games, uma nova classe de trabalhadores surgiu: os trabalhadores do metaverso.

Trabalhe no metaverso

No final de setembro, o Facebook anunciou que vai gastar US$ 50 milhões só em 2021 para construir um metaverso, definido como:

''Um conjunto de espaços virtuais onde você pode criar e explorar com outras pessoas que não estão no mesmo espaço físico que você. Você poderá sair com amigos, trabalhar, brincar, aprender, fazer compras, criar e muito mais. Não se trata necessariamente de passar mais tempo online - trata-se de tornar o tempo que você passa online mais significativo.''

Apesar da notícia impactante, os metaversos já estão sendo construídos pela comunidade cripto há alguns anos e alguns projetos já contam com quase 2 milhões de usuários.  Nesse cenário, há duas ''categorias'' de empregos que estão sendo geradas:

  • Profissões ''tradicionais'' em novos cenários: community manager do Fix, anfitrião de Cassino no Decentral Games, design de roupas digitais no Burberry, curador de artes NFTs... )
  • Profissões completamente novas, criadas dentro do metaverso ( jogador de Axie, contribuir de uma DAO, capitão de naves para exploração intergalática no Star Atlas...).

Embora seja prudente considerar o riscos de lidar com qualquer inovação, com a ascensão da web3, a entrada dos nativos digitais no mercado de trabalho e a possibilidade de que 85% das profissões que existirão em 2030 ainda não tenham sido criadas hoje, é imprescindível considerar as oportunidades que o metaverso guarda.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também