EXAME Agro

Apoio:

Logo TIM__313x500

Produção de açúcar no Brasil deverá crescer 34,4% no ano, diz S&P Global

Previsões de analistas indicam uma produção de açúcar de 3,54 milhões de toneladas na região Centro-Sul na primeira metade de agosto, período beneficiado pelo clima

Colheita da cana-de-açúcar: setor aguarda clima nos próximos 14 dias para estimar safra cheia de agosto  (REUTERS/Nacho Doce/Reuters)

Colheita da cana-de-açúcar: setor aguarda clima nos próximos 14 dias para estimar safra cheia de agosto (REUTERS/Nacho Doce/Reuters)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 23 de agosto de 2023 às 19h02.

A produção de açúcar na região do Centro-Sul do Brasil deverá atingir um total de 3,54 milhões de toneladas na primeira metade de agosto, contribuindo para um aumento de 34,4% no ano em relação a 2022, de acordo com uma pesquisa da S&P Global Commodity Insights.

As condições climáticas favoráveis na maior região produtora do país durante a primeira metade de agosto devem resultar em um dos maiores esmagamentos de cana-de-açúcar em um período de duas semanas. Na pesquisa da S&P Global, a estimativa média foi de um esmagamento total de 49,6 milhões de toneladas, aumento de 27,9% em relação ao ano anterior.

Leia também: Já comeu fruta hoje? Hortifruticultura quer aumentar consumo da população brasileira

Na usina, a escolha entre destinar a cana para etanol ou açúcar está baseada no preço. "Os participantes do mercado acompanharão de perto os números do ATR [açúcar total recuperável] e os resultados de produção de etanol na primeira metade de agosto", diz um analista baseado em São Paulo.

"O número do ATR é uma variável chave que indica a potencial produção de açúcar, e os números do etanol darão uma indicação de como a demanda tem reagido à recente redução da relação de preço entre o etanol hidratado e a gasolina na bomba", afirma. Na prática, se o preço do etanol não estiver compensando, pode haver mais açúcar no mercado. 

Segundo a consultoria hEDGEpoint Global Markets, a semana passada foi marcada por altos e baixos nos preços do açúcar, mas não uma variação relevante. "Enquanto a moagem do Centro-Sul se mantiver positiva haverá uma força baixista impedindo qualquer forte tendência de alta no curto prazo", apontam os analistas. 

Leia também: Safras nos EUA voltam a correr risco com previsão de 46ºC

Mercado externo

Rumores de maior precipitação prevista para o Centro-Sul nos próximos 14 dias podem limitar o ritmo da safra região, de acordo com a  hEDGEpoint. “Parece que estamos em mais um momento de esperar para ver, e devemos ter uma maior volatilidade dependendo da evolução dos modelos de previsão”, diz Lívea Coda, analista de açúcar e etanol da consultoria.

Outro evento importante relacionado ao clima foi a confirmação pelo Departamento Meteorológico da Índia (IMD) do agosto mais seco em mais de um século, encerrando o mês com déficit significativo nas regiões sul, oeste e centro.

Leia mais: Elanco quer fomentar debate de ILPF e rastreabilidade na pecuária

“Isso adiciona combustível à tendência altista de médio/longo prazo, pois parece estar ficando muito mais difícil esperar uma forte recuperação na produção de açúcar do país. Não apenas na produção total, mas também na disponibilidade para o mercado internacional”, afirma a analista.

Produção de etanol

De acordo com a S&P Global, a produção de etanol hidratado a partir de cana-de-açúcar e milho deverá ser de 1,397 bilhão de litros, de acordo com a média das respostas dos analistas à pesquisa. Isso representaria um aumento de 20,13% em relação ao ano anterior.

Já a produção voltada ao etanol anidro a partir de cana-de-açúcar e milho na primeira metade de agosto deverá totalizar 984,7 milhões de litros, um aumento de 15,61% em relação ao ano anterior, segundo a pesquisa.

Acompanhe tudo sobre:acucarCana de açúcarEtanolPreçosAgronegócioAgriculturaExame-Agro

Mais de EXAME Agro

Argentina: falta de chuvas afeta plantio do trigo e afasta possibilidade de safra recorde

Eventos agro: Confira a agenda para os próximos dias

CCIR 2024: prazo para emissão do documento termina nesta semana

Exportações do agro brasileiro crescem 5,60% no primeiro semestre de 2024 e batem novo recorde

Mais na Exame