EXAME Agro
Acompanhe:

Pasta do Desenvolvimento Agrário confirma Edegar Pretto para presidência da Conab

A confirmação do MDA ocorreu por meio de um aviso para coletiva de imprensa, enviado pela assessoria de imprensa, com o ministro Paulo Teixeira para anúncio de Pretto no comando da estatal

 (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

E
Estadão Conteúdo

6 de janeiro de 2023, 10h24

O Ministério do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar (MDA) confirmou na noite desta quinta-feira (5) que o deputado estadual Edegar Pretto (PT-RS) será o presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A confirmação do MDA ocorreu por meio de um aviso para coletiva de imprensa, enviado pela assessoria de imprensa, com o ministro Paulo Teixeira para anúncio de Pretto no comando da estatal.

O PT havia definido a indicação do nome de Pretto para a empresa pública, dependendo apenas do aval do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A reportagem apurou que a chancela do presidente foi dada a Teixeira em reunião do ministro com Lula.

O deputado, que concorreu ao governo do Rio Grande do Sul, é ligado ao Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e tem atuação parlamentar voltada à agricultura familiar. Apesar de sua derrota nas urnas, o PT via a necessidade de mantê-lo em projeção para retornar a disputa ao governo gaúcho em 2026, já que sua votação no último pleito foi considerada "expressiva" pelas lideranças da legenda.

Nesta semana, Pretto disse à reportagem que avaliaria com Teixeira a possibilidade de assumir a estatal. O deputado antecipou também as prioridades na nova gestão, como retomar estoques reguladores e estruturar políticas de apoio aos pequenos produtores, além da manutenção das atuais políticas de abastecimento e de apoio ao agronegócio.

A estatal, que saiu da gestão do Ministério da Agricultura para o MDA, é alvo de queda de braço entre a ala governista ligada ao agronegócio e a ala da agricultura familiar. Um grupo ligado ao ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, ainda articula a gestão compartilhada da estatal, contrariando as lideranças petistas, o que deve ser inviabilizado pela oficialização de Pretto.

LEIA TAMBÉM: