• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

Aumento de taxas de frete sobrecarrega importadores de grãos

A guerra na Ucrânia abalou o comércio global de grãos de US$ 120 bilhões à medida que as entregas da região produtora do Mar Negro se tornam cada vez mais complicadas
 (Estadão Conteúdo/Gabriela Biló)
(Estadão Conteúdo/Gabriela Biló)
Por BloombergPublicado em 19/04/2022 16:35 | Última atualização em 19/04/2022 16:35Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Por Ann Koh, da Bloomberg

A guerra na Ucrânia pressionará ainda mais os países importadores de grãos da África e da Ásia, já que um número reduzido de navios para entrega de cargas aumenta o custo do frete, de acordo com o chefe da Câmara Internacional de Navegação.

Cerca de 80 a 100 navios, principalmente graneleiros, não conseguem deixar as águas ucranianas há quase dois meses devido a minas submarinas e bloqueios militares, disse o presidente da organização, Esben Poulsson, em entrevista.

Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

As taxas de frete a granel estão aumentando à medida que armadores e afretadores precificam o fato de que os navios ficarão presos por períodos mais longos.

Os fluxos comerciais de grãos estão passando por mudanças significativas, disse ele, e a distância que os navios terão que percorrer para levar remessas das Américas aos clientes é maior que as viagens partindo do Mar Negro.

“Isso terá repercussões para os países mais pobres da África, que mal podem pagar grandes quantias a mais por seus grãos”, disse Poulsson.

A guerra na Ucrânia abalou o comércio global de grãos de US$ 120 bilhões à medida que as entregas da região produtora do Mar Negro se tornam cada vez mais complicadas. Alternativas estão surgindo, com produtores nas Américas enviando cargas para clientes na África e no Sudeste Asiático, alguns pela primeira vez em anos.

A China está aumentando as compras de milho dos EUA, enquanto o Brasil está enviando trigo para lugares como Turquia, África do Sul e Sudão.

Um aumento nas taxas de frete pode aumentar ainda mais os custos dos alimentos, gerando mais pressão inflacionária para consumidores e agravando a crise global da fome. Um índice das Nações Unidas de preços dos alimentos já está em nível recorde, e o impacto é sentido mais nos países pobres, onde os mantimentos representam uma grande parte dos orçamentos dos consumidores.

“As taxas de frete permanecerão altas e podem subir um pouco mais”, disse Poulsson, cuja organização representa armadores e operadores que cobrem cerca de 80% do comércio mercantil mundial. “Mas será volátil porque as coisas podem mudar.”

O Baltic Dry Index, referência amplamente observada para taxas de frete a granel, oscilou bruscamente no último ano, atingindo uma máxima de 13 anos em outubro devido à escassez de produção de matérias-primas, e depois despencou quando as restrições da China à poluição de fábricas enfraqueceu a demanda por minério de ferro. O indicador registra alta de 65% desde sua mínima em janeiro.

Além da situação na Ucrânia, as taxas de frete também estão sendo afetadas pelos esforços da China para combater a propagação da Covid-19. Centenas de navios a granel estão enfrentando atrasos na costa da China, com lockdowns em cidades como Xangai.