Alta demanda por soja e carne bovina valoriza terras do Uruguai

O Uruguai é um grande produtor de soja da América Latina e está consistentemente entre os 10 maiores exportadores globais de carne bovina
O aumento dos preços dessas commodities impulsionou os retornos das terras agrícolas (Paulo Fridman/Bloomberg/Getty Images)
O aumento dos preços dessas commodities impulsionou os retornos das terras agrícolas (Paulo Fridman/Bloomberg/Getty Images)
B
Bloomberg

Publicado em 21/09/2022 às 16:18.

Última atualização em 21/09/2022 às 16:26.

A crescente demanda por soja e carne bovina do Uruguai está ajudando a aumentar os preços do país pelo segundo ano consecutivo, de acordo com os corretores de terras do país.

Este ano produtores imobiliários corretos e corretos da Alba, administrador do aumento da soja, disse Pablo Zambrano. “Acho que a terra vai aumentar pelo menos 10% a 20%.”

Albano fechou mais de 10 transações este ano, e não tem estado tão ocupado que começou a administrar uma divisão em 2010. %, segundo empresas, por compradores urugua o diretor da, Daniel Dutra. Ambos esperam que os valores dos terrenos se estabilizem no próximo ano, salvo grandes oscilações nos preços das commodities.

Os contratos futuros de soja subiram 9,1% este ano em Chicago em meio ao aumento da demanda global por alimentos e dificuldades de oferta devida à seca e à guerra da Rússia na Ucrânia, uma das cestas de pão do mundo. Isso está ajudando a aumentar o interesse por produtos agrícolas de outros fornecedores globais, incluindo o Uruguai.

O Uruguai é um grande produtor de soja da América Latina e está consistentemente entre os 10 maiores exportadores globais de carne bovina. Como as exportações de carne bovina do país estão a caminho de um novo registro este ano, com embarques no valor de quase US$ 1,9 bilhão até agosto. O Uruguai também é um exportador de produtos florestais, como celulose. 

O aumento dos preços dessas commodities impulsionou os retornos das terras agrícolas, incrementando seu valor. As vendas de terras no Uruguai aumentaram 51% para quase 232,000 hectares (573.000 acres), valor de cerca de US$ 811 milhões no ano passado. O preço médio por hectare subiu 6% para um máximo de quatro anos de quase US$ 3.500, segundo dados compilados pelo Ministério da Agricultura do Uruguai.

Enquanto mais propriedades estão mudando de mãos, o mercado está mais longe de atingir uma bolha especulativa, de acordo com os corretores.

“Não há muita demanda nem muita oferta”, disse Dutra, cuja empresa familiar remonta a 1898.

Os uruguaios representam a maioria dos compradores de terras, seguidos por um número menor de europeus, americanos e sul-americanos. Albano disse que recebeu pedidos de argentinos com US$ 30 milhões para investir em agricultura e pastagens. Dutra também está vendendo potenciais compradores de outros lugares.

“Fomos visitados por chilenos”, disse ele. “É uma tendência que não tínhamos nos anos anteriores.”

Veja também:

Produção de café deve se recuperar e atingir mais de 50 milhões de sacas

Empresários compram terras para formar 'corredor' de preservação no Pantanal